A. Zhoras é um habitante do mundo das palavras que nunca compreendeu o poder do tempo. De tão apaixonado, quis defender sua poesia e teve os braços amputados ao travar uma luta violenta contra o concreto armado do mundo. Ferido e abandonado à margem dos dias, acabou nos braços do ator paranaense Leandro C. Muniz, a quem escravizou, tornando-o seu datilógrafo e editor. Dessa relação intensa, tem surgido textos que transcendem a apatia do papel, provando que a literatura ainda é uma arte que sangra.

 

[ desenvolvido pela agência do escritor ]